Você tem saudade de quê? De quem? Você ainda sente saudade? Você ainda sente? Você ainda é você? Quem somos nós, quem sou eu?
Caio Augusto Leite. 
Estou recomeçando... ↘

Excluíram meu Tumblr, eu perdi quase tudo, estou me recuperando aos poucos, tô abalada com o que ocorreu, mas estou aqui novamente. Eu vim recomeçar e vim pedir o apoio de vocês, me dando forças e reblogando esta postagem, para que todos, ou ao menos os que eu tinha contato saiba do ocorrido. Está difícil, mas eu não irei desistir.

Att,
Joice Santa, textificar.

Eu quero fazer silêncio
Um silêncio tão doente
Do vizinho reclamar
Chico Buarque 
Com licença, eu acredito em fidelidade. E sou fiel, f-i-e-l. Nunca senti vontade de trair, sequer olho pro lado. Acho falta de respeito. Sei que homens bonitos passam pela minha frente, parabéns, moço, tua mãezinha tava inspirada, hein? Odeio quem se conforma e diz que tem que cuidar bem, senão, sabe como é, bobeou, dançou. Ninguém segura ninguém. Pode fazer curso de strip, de sensualidade, disso e daquilo, se tiver que levar, levou. Se tiver que tomar, tomou. É simples. Ninguém fica junto muito tempo só pelo sexo. Mesmo porque existe vida fora da cama - e do corredor, elevador, carro, mesa, cozinha.
Clarissa Corrêa.
Eu desabo, quando me calo.
Rosa de Saron.

sozinho estou,
com o meu silêncio.

o amor é um rio
e eu rio
para esvaziar.

Porque nosso mal é este: pensar demais.
Martha Medeiros 

o amor é um rio
e eu rio
para esvaziar.

Pós-Guerra.

só ficou destroços dentro de mim.

Me deixa borrar tua solidão
quebrar o teu silêncio,
atrapalhar a tua leitura do nada,
me deixar ir.
Ir contigo, do céu ao inferno,
poético.

te achei no céu, chorei estrelas.

Sou um bicho simples
feito de amor
e ciúmes.
— Caio Augusto Leite.
E sabe de uma coisa? Acredito que todos estamos sozinhos. Disfarçando téses de que somos cheios de sentimentos e pessoas enquanto existem muitos, agora, que choram por estarem cortando possíveis pulsos. Hoje cheguei a conclusão de que não preciso de companhias alheias , nem de perfumes que não são meus, nem de carmas que eu poderia descartar. Pesos desnecessários e relações que eu poderia, simplesmente, abrir mão. Pelos outros e por mim também. Porque não existe cansaço maior do que tentar e se afundar e bater a cabeça no raso e sangrar. Morrer, pois uma das partes não entende, ou melhor, não assimila, compreende. Tô aprendendo, a grosso modo, que solidão é aquilo que há entre você e você. Aquele espaço na madrugada, aquela sede insaciável e que jamais, jamais conseguirão decifrar. Aquele pedaço que você esqueceu e não voltou pra buscar. Estaremos sozinhos ao fazer compras no supermercado; estaremos sozinhos enquanto aguardamos exames médicos; enquanto a música que lembra aquele cara legal toca na rádio; quando estivermos escrevendo sobre desilusões adolescentes que marcaram nosso auge. E não precisaremos de muita coisa pra perceber que a solidão estará estática e uniforme, e que abrandará todos os nossos conceitos e que calará nosso orgulho e dirá, leve e tranquilamente: eu sempre estive aqui.
Floresinexatas